segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Estrela cadente - Poema de: Carlos Adriano Santos

Estrela cadente

Existe algo tão bonito além do infinito
Somos provenientes de estrelas cadentes
Sementes plantadas neste chão
Fonte de vida que alimenta esta corrente
Através da batida de cada coração
São tantas as formas de pensamentos
Plataforma que se deforma com o passar do tempo
Elos que se dividem
Martelos que definem para onde os corpos vão
E nesta poeira cósmica
Cada um segue o seu destino
Sonhos de uma menina mulher
Sonhos de um homem menino
Céu que se abre quando quer
Buscando se tornar divino
Luzes e lutas para os que transcendem
Cruzes ocultas para os que não compreendem
Complexidade e imensidão
Capacidade de criar algo belo
Intensidade na letra que compõe a canção
Estrelas iluminadas por um sol amarelo
Submergidas no mar da escuridão

domingo, 8 de janeiro de 2017

Nas asas do pensamento - Poema de: Carlos Adriano Santos


Nas asas do pensamento

Hoje parei em frente ao mar para contemplar o horizonte
Atravessei pontes
Subi os montes
Bebi água das fontes
Além de onde o sol se esconde
Encontrei pergaminhos
Palavras gravadas nas asas dos passarinhos
De repente tudo desapareceu
Caiu um véu sobre o infinito
O céu, que era tão bonito, se recolheu
Então voltei para dentro de mim
Porque a vida é assim?
Porque os sonhos se acabam?
Porque tudo tem um fim?
Porque os odores da morte exalam?
Porque morrem as flores de um jardim?
Porque é que elas não falam?
Porque perdemos?
Porque ganhamos?
Porque não temos?
Porque procuramos?
Vida que me leva e traz
Finda quando breve jaz
Linda quando se vive em paz
Alguns dizem que, lá em cima, a vida continua
Será que depende do clima?
Ou depende das fases da lua?
Seja lá como for
Talvez eu fique por aqui
Talvez viaje num disco voador
Talvez tudo desabe sobre mim
Talvez aprenda mais sobre o amor

Poema de: Carlos Adriano Santos




quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Expressão de poesia - Poema de Carlos Adriano Santos


Expressão de poesia

O poeta tem lá as suas formas de se expressar
As vezes forma
Transforma
Muda a sua formula sem avisar
Contorna
Conforma
Informa
Plataforma delinear
Ser poesia é não ser igual
Caminho incerto
Passear no deserto
Universo sobrenatural
Transcendente ao tempo
Aos movimentos
As correntes do vento
Livre e leve pensamento
Caracterizando os momentos
Gotas de sentimentos
Que escorrem da imaginação
Espalham a poeira
Se derramam no chão
Aeronaves que pairam no ar
Tripulantes de navios que flutuam no mar
Horizonte com uma escada que se estende
Estrada que cruza um rio
Que se deita e se deleita sobre sua água corrente
Palavras que se perdem
Que se encontram e se fundem novamente
Que se enrolam quando descrevem
Que decolam com o verso que acende
Compor é tão bom
Por ao seu dispor uma canção em suave tom
Dentro do coração para não perder a direção
E tudo se faz anexo
É só apertar o botão
Frases e fases
Pontos que procuram por uma interrogação

Poema de: Carlos Adriano Santos