quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Noel cruel - Crônica de Carlos Adriano Santos


Noel cruel

E lá vem ele com aquela carinha de velho safado
Todo bonitinho de vermelho sentar em seu trono dourado
Não se engane com o sorriso estampado em sua face
Ele não dá nada de graça, é tudo disfarce
Sentados nos bancos da praça estão os mendigos que não são presenteados
Crianças sofrendo ameaças de terem seus brinquedos roubados
Natal que vira fumaça e deixa o cartão para ser pago


Crônica de: Poeta Carlos Adriano Santos